terça-feira, 17 de março de 2009

gambiarra

Segundo a Wikipédia é um termo usado predominantemente para tratar do procedimento necessário na configuração de uma solução ou artefato improvisado.

A Desciclopédia por sua vez define como uma solução inteligente por tempo indeterminado para um problema aparentemente sem solução ou não previsto.

Já na minha humilde opinião é o melhor lugar para se encerrar o final de semana.

Estou falando da festa Gambiarra que rola somente aos domingos, nos ambientes do Hotel Cambridge, no Centro de São Paulo.

Havia ouvido falar muito da festa, mas não imaginava que iria gostar tanto.

Começa pelo lugar, que apesar de ter um ar meio decadente, é super diferente, tendo para todos os gostos. Pista muvucada, mezanino, lounge arejado e um salão silencioso para dar aquela descansada.

O som da pista principal é recheado se samba-rock ou versões remixadas com uma batida mais para eletrônica, estilo Fernanda Porto. O da pista 2 é uma mistureba deliciosa. Uma coisa meio Loca com mais música nacional. Adorei.

Tem uma terceira pista, mas parece que a Prefeitura interditou, segundo corria na boca pequena.

Mas o melhor da festa é o seu público, que se joga com gosto nas pistas, principalmente na principal. O pessoal é bonito, cheiroso e sem carão. E tem para todos os gostos: polo boys, alternativos, manos, patys e burguesinhas. As meninas em suas maiorias são héteros e se dividem na mesma proporção que os meninos onde os gays chegam a metade deles. Lembra muito a Trash 80's, nos seus gloriosos tempos.

Como grande parte dos freqüentadores são ligados ao teatro (até porque eles tem 50% de desconto na entrada) é fácil de se encontrar artistas lá, como o Gianecchini e a Suzana Vieira, que estavam todos pintosos e garbosos (respectivamente) por lá no domingo:


E como se não bastasse venderem sorvete na balada, para aumentar ainda mais o gordo's pride, no tal salão mais silencioso tem um kilão. Isso mesmo que acabou de ler, um buffet com saladas diversas e pratos quentes e três opções de caldos/sopas para dar aquela revigorada no final da noite.

Claro que não ia deixar passar essa oportunidade e mandei ver um pratinho. A dica é evitar a salada Gianecchini se quiser beijar, porque apesar de deliciosa, tem pimentão.

Mas a dica principal é levar R$ 30,00 em dinheiro, R$ 10,00 para o valet e R$ 20,00 para a entrada. Eles não aceitam dinheiro cartão ou cheque e tem de pagar a entrada antecipadamente. Para os demais gastos aceitam cartões.

A comanda alias é outro problema, porque as bebidas as vezes entram em promoção (mas a da caipirinha era com balaika por exemplo, não preciso dizer que quase morri quando vi o bartender pegando aquela garrafa com adesivos azuis, mas deu tempo de salvar e trocar) e o caixa nem sempre está sabendo.

Mas os preços são em conta.

A recomendação final é chegar cedo. Antes da meia-noite a fila não é tão pesada para entrar.

Serviço:
Gambiarra
Só domingo - 22h
Entrada R$ 20,00 (normal) R$ 10,00 (com DRT)
Rua João Adolfo, 126
11 31012537
11 31049397

7 comentários:

Estefanio disse...

Anotado pro proximo roeiro de domingo na cidade!

Klero disse...

eu preciso retornar... gostei do clima e das pessoas, mas o espaço é um horror, dependendo do dia. eu passei mal de calor e quase desmaiei por causa da inteligência que colocou o ar condicionado muito em cima e prendeu ar quente e ar frio sem mobilidade, inutilizando o aparelho.

aliás, até sambei um pouco qdo fui, coisa que nunca faço!!!

Gui disse...

Ludo iria adorar o Bailinho carioca...

Tony Goes disse...

Dica preciosa: se quiser beijar alguém, não coma NADA na balada além de Hall's ou Tic Tac.

SAM disse...

Meu querido, o blog faz niver e voce está sendo homenageado passa lá depois tá!

FURÃO! KKK

Alexandre Lucas disse...

Um dos raros casos de gente bonita e desinibida.

introspective disse...

Só uma observação, pode deletar em seguida: primeiro vc fala pra levar em dinheiro, e depois escreve que "eles não aceitam dinheiro ou cheque". Alguma coisa está fora da ordem... ;)