terça-feira, 24 de março de 2009

bad tuesday

Existem duas coisas que preciso fazer com uma certa freqüência, mas não tenho a menor paciência.

Encher o tanque do carro e cortar o cabelo.

No caso do tanque é ainda pior, porque tenho de fazer isso pelo menos um vez por semana.

Com meu primeiro carro, por ser à gasolina e beeem econômico enchia o tanque e rodava quase 500 quilômetros.

Agora com essa moda de carro flex e ser socialmente responsável (tá o álcool é mais barato e o carro fica mais potente), quando consigo chegar aos 400 quilômetros já me dou por feliz. E olha que cada enchida vão uns 50 litros. Bem mais do que os 35 do meu antigo sapinho zóiudo.

E como se não bastasse, tem uns postos onde a bomba leva séculos para passar o combustível. Resultado, só paro no posto depois de a luz da reserva gritar horrores, evitando assim mais paradas.

Já o cabelo dá para enrolar bem mais do que a gasosa. E como uma vingança divina, basta chegar a hora extrema, onde não dá mais para esperar um dia com o cabelo desgranhado para meu tempo acabar.

Estava há 2 semanas para cortar o cabelo e nunca que conseguia um tempo. Já tinha gente dizendo parecer com cabelo de vereador de cidade do interior.

Mas é muito chato ficar ali, parado, por cerca de meia hora, enquanto tentam deixar do jeito pedido.

Quando eu ainda não dirigia, ia em um cabeleireiro babadeiro. Aí sim era bom. Além de o salão ser uma gracinha, o coiffeur tratava bem o meu cabelo e sempre lembrava como eu queria. Foi a época em que menos briguei com meu cabelo.

Fora o namorado fofo dele. O coitadinho era escravizado, varrendo os cabelos do chão, servindo Coca Light geladinha para os clientes e agüentando ataques de estrelismo sem fazer cara de choro.

Como sei que era o namorado? Oras, toda vez que um entrava ou saía do salão, se beijavam na boca. Mas a roça não ainda não estava acostumada com essa modernidade e o salão fechou.

E meus dias de tédio para cortar o cabelo voltaram.

Ah, hoje tive de encher o tanque e cortar o cabelo. Ainda bem que quinta-feira tem aniversário do Pucci (já que não temos Noites Pretas nas quintas em São Paulo)

4 comentários:

Clebs disse...

Eu detesto cortar o cabelo tb... Só agora que eu achei um cara, que tem nome de música da Madonna e ficou meu amigo...está menos chato!

=D

Too-Tsie disse...

Taí 2 coisas que eu odeio também e vou até as últimas. E olha que quando eu dividia o carro com meu irmão, toda vez que eu pegava o carro tinha que parar no primeiro posto pq estava só no cheiro.

Eu até curtia cabelereiro na adolescência, me jogava com força no Soho nos anos 90 com seus cortes nipo moderninhos, mas cansei de tudo isso.

Meus últimos cortes foram homemade com um pente navalha que eu comprei numa viagem.
Um buraco aqui, outro ali e voilá! Pombal na cabeça.

Daniel disse...

Se joga na progressiva e deixa o picumã crescer! Ou você acha que esse franjão meu é natural?

Sapinho zoiudo = corsa verde? Bom, se for, eu também tenho um a gasolina que roda 500km com um tanque de 40l. Mas como eu vivo no Hell de Janeiro, preciso andar sempre com o ar ligado. Sorte minha se chegar aos 400km com um tanque.

Já prometi a mim mesmo que meu próximo carro será igual a mim, flex.

Gui disse...

Que bichas vcs sao? Eu adoro salão. Fico horas e horas. E se pudesse, apararia o picumã toda semana, numa vibe Roberto Justus. So reclamam pq tem cabelo bom, ne, Daniel?

Ainda da tempo pra pegar a ponte pra Preta de hoje, Ludo!