segunda-feira, 3 de março de 2008

a culpa é do feijão

No último relatório "Macro Brasil" do Credit Suisse, a previsão é de menor inflação para 2008, principalmente com relação aos alimentos.

Os principais vilões do IPCA em 2007, foram os alimentos perecíveis e pouco comercializados no exterior, como feijão e leite. No caso do feijão, por motivos climáticos que reduziram em 28% a área plantada no Paraná, o principal produtor do país, o aumento foi de 140,2%.

Já os commodities externos, como a cotação é internacional, a coisa deverá se manter no mesmo patamar. Exceção da carne, em especial a bovina, porque com o embargo da União Européia, sobrará cerca de 7% da produção nacional.

Com isso os analistas do Credit acreditam que os alimentos não vão pressionar a inflação como ocorreu em 2007. Isso claro, se não houver alguma surpresa pelo caminho.

Mesmo com o aumento do salário mínimo, o aumento do consumo da baixa renda não deverá influenciar nos preços dos alimentos, pois, a previsão inicial é de aumento na produção.

Segue trecho do relatório sobre a inflação ao consumidor de 2007 (quem quiser ele complete, com todos os gráficos e análises, avisa que envio por e-mail):

A elevação da inflação ao consumidor em 2007 ocorreu em um contexto de forte
expansão da demanda doméstica. O aumento da demanda reflete o maior padrão de
renda da população, resultado, entre outros, do aumento da massa salarial, por conta dos
maiores salário real e número de postos de trabalho. Esse crescimento da demanda
agregada foi também reflexo da forte expansão do crédito, com redução das taxas de
juros e aumento expressivo dos prazos de financiamento.
Além disso, também contribuiu para o aumento do consumo a melhor distribuição de renda, uma vez que a propensão média a consumir é maior entre aqueles com menor poder aquisitivo. Para 2008, nosso cenário base contempla a aceleração do consumo das famílias, de 6,0% em 2007 para 6,4%, com melhora em todos os condicionantes fundamentais do consumo.
Em geral, aumentos expressivos do crescimento da demanda são acompanhados por maior
incerteza sobre a dinâmica da inflação. Entendemos que esse tem sido o caso, em particular, em um contexto de elevação da inflação IPCA acumulada em 12 meses de 3,2% em maio de 2007 para 4,6% em janeiro de 2008.
A nosso ver, o diagnóstico sobre as razões do aumento da inflação é relevante para se avaliar o balanço de riscos para a inflação. Atualmente, há controvérsia sobre esse diagnóstico, o que dita a existência de visões antagônicas sobre a dinâmica da inflação nos próximos trimestres. De um lado, há a leitura de que a aceleração da inflação resultou em sua maior parte de um crescimento da demanda que não tem sido
acomodado e que não será acomodado apenas pelo forte crescimento da oferta. Do outro
lado, a avaliação é de que o sólido crescimento dos investimentos nos últimos trimestres e a forte alta das importações serão capazes de acomodar o crescimento da demanda sem resultar em elevação da inflação ao consumidor nos próximos trimestres.
Nossa leitura é compatível com a segunda vertente. Nossa avaliação permanece a de
que uma parte substancial da aceleração inflacionária nos últimos meses foi causada por choques de oferta em alguns itens específicos de alimentação. Julgamos que grande
parte da razão da elevação da inflação IPCA de 3,1% em 2006 para 4,6% acumulada em
12 meses até janeiro se deve ao aumento da inflação de alimentação, no período, de
1,2% em 2006 para 11,5%. Enquanto isso, no período, a inflação nos demais itens da
cesta do IPCA se reduziu de 3,7% para 2,8%.


Mas nisso o Lula e seus discípulos não falam, afinal, os seus eleitores sentiram, e bastante, o aumento dos alimentos, em especial no final de 2007.

9 comentários:

Lúcia BL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lúcia BL disse...

ludo, você que adooora um mercado... me acompanha num café da manhã na sexta? Mercados Emergentes: Perspectivas para 2008

mando os detalhes no orkut.

beijo grande!

Gui disse...

Aumentou mesmo e todo mundo viu. E o poder de compra do povo continua o mesmo, óbvio.

Ai, AAAAAAmo esse blog.

Alexandre Lucas disse...

Desde que o mundo é mundo, poder de compra do povão não tem muito espaço para crescer...

Too-Tsie disse...

Faço coro com o Gui.
Adoro o seu blog, sempre rola algo muito pertinente do que apenas diversão.

Jackson Jr. disse...

eu sempre respondo ao boa noite da fátima bernardes.

beijos!

Mans disse...

tadinho do feijão
hahaha

Mans disse...

tadinho do feijão
hahaha

Goiano disse...

vc lendo o mesmo livro que eu ?

eu sabia!!!

somos almas gemeas! (nao tao gemeas pq vc é mais bonito) (mas eu sou mais espirituoso... seja la o que isso signifique)

uhahua

bjos e adoro te olhar